Repositório

Livros, publicações, artigos publicados na área do e-learning em Portugal.

Governação & Práticas de e-Learning em Portugal – Estudo 2014

Este documento constitui o Relatório Final do Estudo “Avaliação das práticas no domínio do e-Learning e contributos para a construção de um modelo de regulação” que a TecMinho promoveu em parceria com a Quaternaire Portugal, no âmbito da candidatura apresentada ao POAT FSE. O Relatório contém o roteiro de reporte relativo às atividades e produtos desenvolvidos ao longo do projeto realizado entre janeiro de 2013 e maio de 2014, e integra o principal conjunto de conteúdos produzidos ao longo do estudo nas vertentes de diagnóstico, reflexão e proposta, tendo em vista o objetivo de contribuir para a evolução do modelo de regulação e das práticas no domínio do e-Learning em Portugal. O estudo foi desenvolvido numa estreita colaboração entre a TecMinho – Interface da Universidade do Minho, e a Quaternaire Portugal, visando sistematizar um conjunto de propostas para a elevação dos padrões de qualidade do e-Learning em Portugal, visando uma reflexão em espaço de inovação aberta, que contribua para o desenvolvimento do campo de regulação do e-Learning.

Ano: 2014
Autor(es): Ana Augusta Silva Dias, Paulo Feliciano, Alda Leonor Rocha, Manuela Neves, Fátima Correia, Eveline Cardoso e Anabel Goulart.
Editora: TecMinho

Horizon Report Europe: 2014 Schools Edition

O documento examina as principais tendências, os desafios mais significativos e os mais importantes desenvolvimentos na tecnologia educacional, que terão maior propensão e impacto nos processos de mudança educacional nas escolas europeias, ao longo dos próximos cinco anos (2014-2018).
Publicação conjunta da Direcção-Geral da Comissão Europeia para Educação e Cultura; Centro Comum de Investigação da Comissão Europeia – Instituto de Prospectiva Tecnológica; e o New Media Consortium.

Grandes temas da publicação:

  • Trends Accelerating Educational Technology Adoption in European Schools
  • Challenges Impeding Educational Technology Adoption in European Schools
  • Important Developments in Educational Technology for European Schools
Ano: 2014
Autor(es): L. Johnson, S. Adams Becker, V. Estrada, A. Freeman, P. Kampylis, R. Vuorikari, Y. Punie.
Editora: Publications Office of the European Union

Metaversia: a mooc model for higher education

A globalização e interdependência económica de uma sociedade pós-moderna impelem a universidade para uma missão de internacionalização. Mas à escala global, circunstâncias sociais, económicas e culturais têm implicações significativas sobre a capacidade dos indivíduos em mostrar o mérito exigido no ensino superior. O movimento de acesso livre revela o surgimento precoce de uma meta universidade que traz mais valias do ponto de vista financeiro para as universidades através do desenvolvimento partilhado de materiais educativos. Mas, apesar do enorme sucesso na disseminação e democratização do conhecimento proporcionado pelo movimento de acesso livre, este possui severas desvantagens financeiras e configura um grande passo atrás na inovação pedagógica devido a sua falha no devido aproveitamento das tecnologias colaborativas da Web 2.0. A fim de encontrar um modelo que melhor se adeque às necessidades de ensino e aprendizagem colaborativa numa economia da informação em rede, duas abordagens são seguidas nesta tese. A primeira consiste na análise e comparação do ecossistema educação aberta. Na outra abordagem, com base nos resultados anteriores, propomos um modelo para um MOOC, Metaversia, para uma rede de colaboração que aproveita o potencial de troca de capital, e de construção de conhecimento que existe no relacionamento interpessoal, permitindo uma plena participação dos cidadãos numa economia da informação em rede.

Ano: 2014
Autor(es): Tiago Santos, Carlos Costa, Manuela Carlos Aparício
Editora: ISCTE-IUL

Qualidade em ambientes b-learning: Dimensões, critérios e aproximações pedagógicas

A combinação entre a crescente oferta de soluções educativas mediadas pelas tecnologias web e a pressão social e política para as adotar acarreta novas exigências e desafios relativamente às ofertas proporcionadas, exigindo uma maior flexibilidade, proatividade e capacidade para acompanhar as mudanças e as características voláteis do seu público-alvo. Para uma integração eficiente, é fundamental avaliar as necessidades de tomada de decisão, de transformações organizacionais e de comportamento individual. O sucesso da aprendizagem mediada pela tecnologia depende fortemente da combinação harmoniosa do uso correto das tecnologias com as pedagogias mais eficientes, permitindo a implementação de oportunidades de ensino aprendizagem inovadoras, autênticas e diversificadas, requerendo a necessidade de se trabalhar a três níveis genéricos – institucional, técnico/tecnológico e pedagógico. O nível institucional inclui aspetos relacionados com a gestão (interna e com parcerias externas) e ética bem como o apoio
dado ao projeto pela instituição. Sem o apoio claro da gestão de topo da instituição, é difícil conseguir ter sucesso num projeto de b-learning e alcançar toda a organização. Tal significa que qualquer avaliação de um serviço de b-learning deve considerar o ambiente institucional e técnico/tecnológico, para além da componente pedagógica. A qualidade destas dimensões vai refletir-se no sucesso obtido.
O artigo descreve os principais elementos a considerar no sentido de garantir a qualidade de um sistema de e/b-learning.

Ano: 2014
Autor(es): Paula Peres, Luís Lima, Vanda Lima

Recriar Espaços e Ambientes de Apredizagem: uma nova perspetiva sobre as comunidades virtuais de aprendizagem para jovens

A presente investigação procurou estudar a influência que as comunidades virtuais, enquanto espaços de comunicação e interação alargada, livres de muitos dos constrangimentos escolares, podem ter na aprendizagem dos jovens e na formação de aprendentes ao longo da vida. A investigação incidiu sobre a comunidade Web 2.0 “FQ em rede”, destinada aos jovens. Em particular, aos alunos (e professores) de Física e Química do ensino secundário, porém aberta a todos os interessados. Ao apoiar e suplementar a atividade escolar formal, a comunidade operou nas fronteiras formal/informal e escola/sociedade. Para analisar as dinâmicas emergentes elaborámos uma moldura teórica assente em três grandes correntes: conectivismo, criação de valor em comunidades e redes e teoria da atividade, acomodando focos de análise desde o nível macro (rede) ao micro (individual). O trabalho desenvolveu-se segundo a metodologia de design-based research. Ao longo de três anos de investigação, a comunidade foi sucessivamente redesenhada e reinventada, em conjunto com os participantes, procurando ir de encontro aos seus interesses e necessidades. Para além das analytics do site da comunidade e do perfil dos seus membros, foram aplicados questionários online anuais e realizadas entrevistas semiestruturadas finais. Recorremos, ainda, à análise sociométrica de redes sociais, para estudar os padrões de interação e participação dos atores nos vários fóruns de discussão. As diversas fontes de dados, técnicas de recolha e de análise usadas sustentaram o processo de triangulação metodológica, conferindo credibilidade aos resultados obtidos. Por operar na interface formal/informal e escola/instituições científicas, a FQ em rede constituiu-se como um switcher entre várias redes estratégicas. Da investigação ficou evidente que a escola tem na imersão em comunidades virtuais de aprendizagem, como a FQ em rede, a chave para iniciar os alunos em atividades de aprendizagem alicerçadas em processos sociais de conexão e participação, que fluem entre sistemas formais e informais, em torno de conteúdo científico. Fica evidente a necessidade de associar escola e comunidades virtuais, configurando um sistema de aprendizagem mais harmonioso, em que as generosidades parciais dos indivíduos, os seus interesses pessoais e a aprendizagem formal se integrem de forma sinérgica, limitando contradições. Esta integração configura uma ecologia de aprendizagem em sintonia com as necessidades educativas contemporâneas: desenvolver o gosto por aprender e aprender a aprender. Palavras-chave: comunidades virtuais, jovens, ecologia de aprendizagem, conetivismo, Web 2.0

Ano: 2014
Autor(es): Vera Cristina Casas Novas Marques da Cunha Monteiro
Editora: Universidade Aberta