Repositório

Livros, publicações, artigos publicados na área do e-learning em Portugal.

O que devemos ter em conta para definir corretamente os termos distance learning, e-learning e m-learning?

A investigação agregada ao ensino a distância encontra dificuldades quando se pretende comparar estudos sobre definições, visto que, amplas, estão associadas a diferentes contextos e interesses de alguns autores, muitas vezes incompletas e com falta de rigor. Portanto, essas definições devem ser clarificadas, ordenadas e definidas corretamente. João Paulo Vagarinho analisou mais de 60 artigos que envolvem os três conceitos e encontrou uma forma para ter em conta ao construí-los corretamente. Identificou um conjunto de características e subcaracterísticas que recomenda a todos os interessados para a construção correta das definições distance learning, e-learning e m-learning.

Ano: 2018
Autor(es): João Paulo Vagarinho
Editora: Educar em Revista

Fatores críticos de sucesso de âmbito institucional para a implementação de e-learning no ensino superior: um estudo nas universidades portuguesas

Este estudo tem como principal foco analisar os fatores de relevo associados à dimensão institucional no desenvolvimento de programas de e-learning no contexto do Ensino Superior. Em específico procura-se identificar os fatores organizacionais que potenciam e inibem o processo de desenvolvimento do e-learning, elegendo como campo de análise o ensino universitário e politécnico público português.

Ano: 2017
Autor(es): João Monteiro, Neuza Pedro
Editora: Indagatio Didactica, CIDTFF, Universidade de Aveiro

Um comparativo de métodos de usabilidade pedagógica em ambientes virtuais de aprendizagem

A crescente adesão das instituições de ensino ao ensino a distância mediado por  Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) tem apresentado novos desafios ao próprio conceito de usabilidade ao repensar os objetivos, instrumentos e métricas associadas à avaliação da mesma. No atual contexto da educação online, não são ainda claras as convergências e divergências existentes na definição dos princípios e critérios da usabilidade pedagógica aplicáveis em Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA). Importa trabalhar em prol da clarificação do conceito de usabilidade pedagógica e contribuir para que esta discussão se torne mais profícua, e neste mister proporcionar o seu avanço. O objetivo deste trabalho foi apresentar perspetivas sobre o conceito e os critérios de avaliação da usabilidade pedagógica em AVA, com a apresentação de quadros com técnicas e heurísticas de avaliação de usabilidade, com o propósito de contribuir para o desenvolvimento e consolidação do conceito e elucidação dos seus princípios. Nesta análise, foi-nos possível constatar aspectos comuns e aspectos singulares de cada perspectiva apresentada, sendo que alguns elementos associados ao conceito de usabilidade pedagógica estão proeminentes. Por fim, neste comparativo parece-nos ter ficado evidente que a usabilidade pedagógica e a usabilidade técnica são inalienáveis pela necessidade recíproca. Bem como, a usabilidade pedagógica deve estar presente no curso online, no material didático e nas atividades que possibilitam o processo de ensino-aprendizagem. E sobretudo, parece-nos essencial para a garantia da qualidade das experiências de aprendizagem em contextos baseados na web, imprescindível: (a) abordar o conceito e; (b) a prática da avaliação de usabilidade com caráter dicotómico, quais sejam: uma dimensão mais tecnológica e outra dimensão mais pedagógica.

Ano: 2017
Autor(es): Viviane Silva, Ana Cecília Hilário, Ranniéry Souza, Maria João Gomes.
Editora: Centro de Competência em Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação da Universidade do Minho

Avaliação de um Curso Online Desenvolvido para Estudantes de Engenharia: Estudo do Caso “Certificado de Infoliteracia”

O ensino à distância no ensino superior tem crescido muito nos últimos anos por força da ubiquidade da tecnologia e da consequente necessidade das instituições académicas corresponderem a uma procura de cursos à distância por parte de novos públicos, mantendo-se assim atualizadas e competitivas no mercado da educação. As Bibliotecas universitárias acompanham esta tendência disponibilizando cursos em infoliteracia, um conjunto de conhecimentos e competências no domínio da informação que se inserem no âmbito das “soft skills” que o paradigma da aprendizagem ao longo da vida na era digital valorizou e que o ensino superior tem vindo cada vez mais a integrar na sua oferta por serem promotoras do sucesso académico dos estudantes. O presente estudo tem como objetivo fazer uma avaliação do “Certificado de Infoliteracia”, um curso e-learning desenvolvido pela Biblioteca da FEUP para estudantes dos vários ciclos de estudo da referida instituição. A avaliação realizada pretendeu aferir qual o grau de eficácia e eficiência desse curso no desenvolvimento de competências de infoliteracia nesses estudantes, qual o grau de atualização do curso em relação a referenciais de boas práticas na área do ensino à distância e que melhorias se poderia implementar, se necessário, para que o curso promova o sucesso académico desses estudantes. Usando uma abordagem combinada de métodos quantitativos e qualitativos, esta investigação faz um estudo de caso que analisa dados obtidos durante o 1º semestre do ano letivo de 2015-2016, relacionados com as perceções, o desempenho e a satisfação dos estudantes do curso de Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação (MIEIC) da FEUP inscritos na unidade curricular “Preparação da Dissertação” (PDIS) do 5º ano do curso. Os dados quantitativos foram recolhidos a partir de instrumentos diversos: questionário de perceções em modo pré e pós-teste, teste diagnóstico, vários testes com perguntas de escolha múltipla do curso, questionário de satisfação e questionário de autoavaliação do curso. Os dados qualitativos foram obtidos a partir da análise de conteúdo dos trabalhos entregues na UC PDIS. Os resultados mostram que o curso não está a ser eficaz nem eficiente, muito embora haja evidências positivas do seu impacto no desempenho dos estudantes. O resultado da avaliação das perceções revelou que os estudantes têm uma confiança elevada nos seus conhecimentos e competências, no entanto no teste diagnóstico revelaram dificuldades a determinados níveis. No desempenho no curso os estudantes tiveram resultados muito bons, todavia o desempenho nos trabalhos de PDIS demonstrou problemas ao nível da estrutura dos resumos, da natureza das fontes e da citação e referenciação. Na satisfação os resultados obtidos mostram que os estudantes estão satisfeitos com o curso e valorizam grande parte das caraterísticas relacionadas com o acesso imediato a recursos online e com a aprendizagem independente, não mostrando interesse na interação com os pares ou com o formador. Os resultados da autoavaliação do curso demonstram o cumprimento de uma pequena parte dos critérios de boas práticas e de excelência. São discutidas melhorias do curso na sequência da análise deste conjunto de resultados. Conclui-se que a qualidade do curso é deficitária, sofrendo de diversos problemas. O mais significativo é o da falta de alinhamento entre necessidades do público-alvo e os objetivos, atividades e conteúdos do mesmo. Conclui-se também que o curso não cumpre com o referencial de boas práticas. Propõe-se melhorias na área do desenho instrucional e das boas práticas em ensino à distância e recomenda-se um modelo de desenho instrucional para o seu redesenho que deverá iniciar-se com a fase de análise das necessidades, após redefinição do público-alvo, bem como com uma avaliação e reformulação cuidadas das perguntas de escolha múltipla nos testes do curso. Com este estudo espera-se poder contribuir para um maior conhecimento a nível nacional acerca da experiência de avaliação de cursos e-learning, beneficiando em particular cursos online em infoliteracia implementados por bibliotecas universitárias cujo impacto as mesmas pretendam avaliar.

Ano: 2016
Autor(es): Teresa Alexandra Cardoso de Oliveira Ramos
Editora: Universidade do Porto, Faculdade de Engenharia

Case based learning for therapeutics: student’s performance in face to face vs blended learning

A adoção de atividades de E-Learning por instituições de ensino superior é considerada uma importante contribuição para novas oportunidades de aprendizagem, tanto em termos de formação inicial, bem como de formação ao longo da vida. No campo da educação e formação clínica, os educadores e os clínicos vêm progressivamente reconhecendo o potencial das TIC para fins de aprendizagem, prática e avaliação de conhecimento. Na medicina e de enfermagem, há exemplos extensos que ilustram a adaptação de componentes tecnológicos e métodos de ensino. No entanto, tanto quanto foi possível apurar, os exemplos são escassos em Farmácia e Ciências Farmacêuticas. Neste trabalho, propomos a explorar uma abordagem de aprendizagem baseada em casos para o ensino de terapêutica, utilizando blended learning. Quando em comparação com a situação do face a face, os nossos resultados mostram um significativo melhor desempenho no grupo de blended learning.

Ano: 2016
Autor(es): Ângelo Jesus, Maria João Gomes; Agostinho Cruz.
Editora: AISTI (Associação Ibérica de Sistemas e Tecnologias de Informação)